sábado, 18 de fevereiro de 2017

Amor sem fronteiras

[domtotal]
Por  Ana Maria Casarotti*


Continuamente escutamos as tristes situações de tantas e tantas pessoas que vivem sem poder atravessar as fronteiras e os limites que são colocados ao seu redor





"Vocês ouviram o que foi dito: 'Olho por olho e dente por dente!' Eu, porém, lhes digo: não se vinguem de quem fez o mal a vocês. Pelo contrário: se alguém lhe dá um tapa na face direita, ofereça também a esquerda! Se alguém faz um processo para tomar de você a túnica, deixe também o manto! Se alguém obriga você a andar um quilômetro, caminhe dois quilômetros com ele! Dê a quem lhe pedir, e não vire as costas a quem lhe pedir emprestado."
"Vocês ouviram o que foi dito: 'Ame o seu próximo, e odeie o seu inimigo!' Eu, porém, lhes digo: amem os seus inimigos, e rezem por aqueles que perseguem vocês! Assim vocês se tornarão filhos do Pai que está no céu, porque ele faz o sol nascer sobre maus e bons, e a chuva cair sobre justos e injustos. Pois, se vocês amam somente aqueles que os amam, que recompensa vocês terão? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? E se vocês cumprimentam somente seus irmãos, o que é que vocês fazem de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sejam perfeitos como é perfeito o Pai de vocês que está no céu" (Mt 5,38-48).

Amor sem fronteiras


Continuamos meditando sobre o Sermão da Montanha. Hoje Jesus nos fala sobre o modo de proceder com o próximo. Nos domingos anteriores meditamos sobre sua proposta a respeito de diversas situações: a ofensa, o adultério, o divórcio, os juramentos, e hoje o Evangelho nos introduz num novo comportamento a respeito da vingança.

O texto inicia-se com uma frase que é um resumo da proposta da Nova Lei do Reino anunciada por Jesus: “Eu, porém, lhes digo: não se vinguem de quem fez o mal a vocês”.

Podemos pensar qual é geralmente nosso modo de proceder quando uma pessoa ou um grupo nos faz mal? Qual é nossa reação no imediato, e até considerada justa segundo os critérios que nos rodeiam, e que geralmente fazem parte da nossa forma de agir?

Se recebermos uma agressão, pessoal ou grupal, como é nosso proceder?
Diante do ódio, do rancor ou da raiva que podemos sentir, Jesus está nos convidando a um novo modo de proceder.

Não alimentar vingança, não manter o rancor e responder às ofensas recebidas de uma forma totalmente diferente de uma justiça aparentemente “justa”.

A justiça do Reino é nova e até impensável se o Espírito Santo não alimenta nossas vidas e nossas comunidades. Somos convidados a atuar com generosidade e gratuidade.

O Evangelho abre a perspectiva do relacionamento humano para além das fronteiras que se costumam construir.

Como afirma Ellian Cuvillier: O Sermão da Montanha “ressoa como um convite a viver neste mundo sob a luz da Boa Nova de Jesus Cristo que é confiança e gratuidade: confiança em um Deus que vem ao meu encontro e que, em troca desta confiança, não me pede mais nada. Pois, o que o SM nos ensina é que o Evangelho não é uma moral (tu deves fazer isto ou aquilo para obter isto ou aquilo — lógica da troca e da retribuição), mas a proclamação de uma Palavra que vem abrir para uma nova compreensão de Deus, de nós mesmos e dos outros”. (Disponível na entrevista realizada pelo IHU: O Sermão da Montanha: um convite à gratuidade e à confiança )

Jesus nos diz: “amem os seus inimigos, e rezem por aqueles que perseguem vocês!” Assim “nos tornaremos filhos do Pai que está nos céus”.

O Pai é nosso modelo e exemplo a seguir, a quem somos convidados a imitar e dessa forma tornar-nos seus filhos e filhas.

Jesus assinala uma característica do Pai: “quem faz o sol nascer sobre maus e bons, a chuva cair sobre justos e injustos”. Destaca, assim, a generosidade do Pai. Ele doa seus bens a toda pessoa além da sua condição, seja uma pessoa boa ou má, justa ou injusta. Não faz distinção entre as pessoas. Na hora da sua benignidade, que é contínua, não há limites; sua compaixão é infinita.

Seu coração é uma contínua manifestação da bondade, de quem aguarda o filho que saiu da sua casa, como narra a parábola do Evangelho de Lucas (Lc 15).

Ser filhos do Pai convida-nos a atuar sem rancor e sem vingança, a ter os sentidos abertos às diferentes realidades que nos rodeiam sem colocar limites nem fronteiras de nenhum tipo.

Continuamente escutamos as tristes situações de tantas e tantas pessoas que vivem sem poder atravessar as fronteiras e os limites que são colocados ao seu redor. Situações que procuram fechar os olhos e ouvidos a um estilo de vida egocêntrico e individualista, oferecido continuamente com diferentes caras.

No seu caminho de seguimento, Jesus propõe que nosso amor ao próximo não seja originado pelas nossas classificações de pessoas, aquilo que ele é ou possui. Nossa fraternidade e estima não pode ser desvirtuada pela categorização ou agrupamento de pessoas. Somos chamados a ter um amor sem limites, que inclua todos e todas por igual.

O modelo para a vida cristã e as suas atitudes não é apresentado na sociedade vigente. Ser cristão não é simplesmente ser como qualquer um, mas é ter outros valores e outra visão. O fundamento desse modo de agir é o amor do Pai e a vida de Jesus.

"Amem os seus inimigos, façam bem aos que lhes odeiam, abençoem aqueles que lhes amaldiçoam, rezem pelos que lhes caluniam”. O Papa Francisco reflexiona sobre este texto: “E estas não são ações que surgem espontaneamente”. Diante dos adversários e dos inimigos, de fato, “a nossa atitude primeira e instintiva é desqualificá-los, desacreditá-los, amaldiçoá-los; em muitos casos, procuramos ‘demonizá-los’ a fim de ter uma justificação ‘santa’ para nos livrarmos deles”.

E continua: “O inimigo é alguém que devo amar. No coração de Deus não há inimigos, Deus tem filhos. Nós erguemos muros, construímos barreiras e classificamos as pessoas. Deus tem filhos, e não foi para se livrar deles que os quis”. “Nosso Pai – explica o Bispo de Roma – não espera pelo momento em que formos bons para amar o mundo; não espera pelo momento em que formos menos injustos, ou mesmo perfeitos, para nos amar; ama-nos porque escolheu nos amar, ama-nos porque nos deu o estatuto de filhos."(Francisco: “O vírus da polarização e da inimizade está entre nós”)

Jesus se posiciona contrariamente à prática das leis que não dignificam a pessoa, que a separam em guetos dos justos e os injustos.

Somos nós que classificamos as pessoas, que julgamos segundo nossos olhares egoístas e muitas vezes insensíveis. Toda pessoa é amada por Deus.

O relacionamento que propõe o Evangelho implica as duas partes. Como disse Francisco na entrevista concedida ao jornal La Stampa: "Nunca tenham medo da ternura". "Deus sempre abre as portas, nunca as fecha. Ele é o pai que abre as portas. Quando os cristãos se esquecem da esperança e da ternura, tornam-se uma Igreja fria, que não sabe para onde ir e se refreia nas ideologias, nas atitudes mundanas. Enquanto a simplicidade de Deus te diz: segue em frente, eu sou um Pai que te acaricia".

No final o texto lido hoje especifica que é preciso “ser perfeitos como é perfeito o Pai que está nos céu”. Ele é nosso modelo a seguir!

Como observa o Papa Francisco “O amor incondicional do Pai para com todos foi, e é, uma verdadeira exigência de conversão para o nosso pobre coração, que tende a julgar, dividir, contrapor e condenar. Saber que Deus continua a amar mesmo quem o rejeita, é uma fonte ilimitada de confiança e estímulo para a missão”.

Nesta semana somos convidados a nos colocarmos diante do amor de Deus, que é um amor inclusivo e nos faz partícipes desse amor.

Existimos desde o Ilimitado
Nos impomos limites e nos apequenamos,
mas vivemos em comunhão com o Ilimitado.

Duvidamos de nós e nos desvalorizamos, mas vamos sob o olhar da Bondade.

Nos dividimos e nos enfrentamos, mas todos recebemos a vida desde A Unidade.

Nos classificamos em perfeitos e deformados, mas todos somos habitados pela Beleza.

Tememos nossa obscuridade e nos escondemos, mas somos iluminados pela Verdade.

Quem pode pôr limites ao amor de Deus por nós?

Quem pode por-nos limites se somente podemos ser no amor de Deus?


IHU
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...