quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

A atriz que está desmascarando a indústria pornográfica


Depois de oito anos estrelando filmes adultos, Shelley Lubben abandonou tudo para começar uma nova vida. Hoje, ela trabalha resgatando pessoas da pornografia e revelando a verdadeira face dessa que é uma “indústria da morte”.



"Se a pornografia é tão ruim quanto alguns dizem ser, por que há tantas pessoas trabalhando nisso?"
Há, evidentemente, muitas respostas para essa questão. Algumas mulheres fazem-no por desespero, porque precisam de dinheiro; muitas – se não a maioria – foram abusadas sexualmente; outras, ainda, foram enganadas pela mídia e levadas a acreditar que a indústria pornô seria um empreendimento sexy e cheio de glamour.
Mas, para descobrir em primeira mão qual é realmente a experiência das mulheres dentro da indústria pornográfica, nada como conhecer a história de alguém que experimentou na carne como é ser uma atriz pornô.
Shelley Lubben era estrela de filmes adultos nos anos 1990 e entrou nesse mundo muito cedo, como prostituta. "Trabalhar com sexo é um círculo vicioso", ela conta ao repórter Jonathon van Maren, do sítio americano LifeSiteNews.com. "Depois que eu me destruí na prostituição, mentiram para mim que eu ficaria livre de DSTs e que eu faria muito dinheiro. Eu era mãe solteira, então, que diacho!, por que não fazer sexo em frente a uma câmera? Mas, absolutamente, foi a coisa pior e mais horrível na qual eu me envolvi em toda a minha vida."

"Eu fui criada pela televisão"

No começo, Lubben pensava que, diferentemente da prostituição, onde maior parte dos homens não queriam usar preservativos, a indústria pornô pelo menos a manteria segura de DSTs. Mentira, não havia segurança nenhuma porque, como ela revela, a indústria do sexo toda está cheia dessas doenças.

"Nós não usávamos camisinha nos filmes pornô. Não são permitidos preservativos, somos forçadas a fazer sexo sem proteção – e eu nem seria capaz de avaliar a quantidade de pessoas que alteram os seus testes de HIV. (...) Nós sabemos que a maioria dos artistas pornô tiveram uma DST uma vez ou outra, e estima-se que a maioria deles tenha herpes. Não são feitos testes para herpes, então todas essas pessoas estão envolvidas em muitas doenças.
O próprio Departamento de Saúde Pública de Los Angeles vem fazendo uma monitoração e eles apareceram com milhares e milhares de casos de clamidíase e gonorreia. Eles são o maior grupo na Califórnia a ter tantas DSTs. Então, quando as pessoas consomem pornografia, elas estão contribuindo para o tráfico sexual, elas estão contribuindo para as DSTs, estão contribuindo com pessoas que são, em sua maioria, dependentes de álcool e drogas. Estou falando da maioria. Nem toda estrela pornô é viciada em drogas, mas a maioria é. E, só para dizer, quando eu passei pelo tratamento de recuperação, eu estava com transtorno de estresse pós-traumático. Eu tive todo tipo de desordens, traumas sérios."
Como terminou se envolvendo com as indústrias de exploração sexual, é ela mesmo quem explica:

"Bem, eu fui abusada sexualmente com nove anos de idade por um adolescente e sua irmã. Experimentei atividade heterossexual e homossexual muito chocante com uma idade muito precoce. Ao mesmo tempo, eu fui criada pela televisão – eu era livre para assistir a filmes adultos, de terror e de conteúdo sexual. Basicamente, eu aprendi o que eram amor e sexo dos abusos e da negligência dos meus pais, porque eles simplesmente permitiam que assistíssemos a essas coisas.
Assim que eu cresci, revoltei-me com a ausência do meu pai na minha vida e comecei a procurar sexo com garotos porque eles diziam que me amavam. Então, eu criei esse ciclo na minha cabeça: de que eu seria amada se tivesse sexo com uma pessoa. Meu pai me chutou para a rua por isso, e eu terminei em San Fernando, Los Angeles, onde um cafetão me atraiu, e eu era muito ingênua. Na verdade, eu era rebelde, não ingênua. Ele me comprou por 35 dólares e, então... Você sabe, eu tive que escapar dele fisicamente, porque ele se tornou muito abusivo, e então uma 'madame' me achou e foi onde tudo começou."

"Todo o mundo está anestesiado"

Uma vez dentro do sistema, Lubben ficou presa num ciclo de degradação e destruição:

"Eu odiava a prostituição, me sentia culpada. Então, comecei a fazer striptease para sobreviver. Eu não tinha educação alguma – a maioria dessas meninas que entram na pornografia não têm realmente uma educação, talvez haja algumas que digam ter diploma, mas eu nunca vi nenhuma –, mas a maior parte das garotas não vêm de famílias, digamos, muito saudáveis, de onde elas saiam com uma boa auto-estima. Na verdade, eu nunca encontrei estrelas pornôs com famílias realmente saudáveis. Isso não significa que elas não existam, mas provavelmente elas existem na mente delas, porque, é claro, elas vão querer dizer que o trabalho com sexo as 'empoderou', porque, na verdade, se você não pode com seu inimigo, você acaba se juntando a ele. Você não quer que as pessoas pensem que você é fraca quando você está na pornografia; você quer agir como se amasse o que faz, como se amasse ser violentada e ser chamada de nomes degradantes. Tudo não passa de um monte de mentiras. Pessoas fazem filmes pornô porque precisam do dinheiro e a maioria delas não tem outras opções ou educação."
A indústria pornô é obscura, má e incrivelmente violenta. É o que apontam as estatísticas e é o que Lubben percebeu na sua experiência:

"Tudo já era violento na minha época, mas eu me envolvi na pornografia hardcore só porque estava repleta de raiva contra os meus pais. Mas, no meu tempo, eu jamais deixaria alguém rasgar a minha boca ou colocar algum objeto estranho nela, ou fazer algo que causasse um prolapso retal. Eu nunca faria isso. Teria saído fora. Hoje em dia, as garotas acabam tendo que fazer essas coisas, porque é o que vende. Então, é muito triste que isso seja culpa da nossa sociedade, mas você sabe, agora todo o mundo está anestesiado ao sexo 'mais leve'. Todos querem tudo mais forte, mais bruto e mais sombrio e, eu sequer consigo imaginar o que será da nossa sociedade daqui a 20 anos. Não vai dar, será... Teremos que nos mudar para as montanhas ou algo do tipo, porque eu duvido que qualquer moça normal será simplesmente capaz de andar pela rua a esse ponto."

"A pornografia é tráfico sexual"

É chocante de várias formas que a indústria pornográfica seja tão mainstream e popular, considerando que, ao mesmo tempo, tem havido várias vozes falando abertamente contra a exploração sexual. Perguntada se a indústria pornô alimenta essa realidade, Lubben é categórica:

"Muitas pessoas pensam que a pornografia é um combustível para o tráfico sexual, e elas estão certas. Mas isso só acontece porque a pornografia é tráfico sexual. Ela é considerada uma indústria de morte porque é exploradora; todas nós fomos coagidas a fazer alguma cena que não queríamos fazer. Nós íamos para médicos falsos e clínicas fraudulentas para as quais eles nos mandavam. De fato, as clínicas deles – a principal clínica de estrelas pornô foi fechada alguns anos atrás, por conta dos protestos de muitas de nós –, mas tínhamos uma ex-atriz pornô, com PhD em sexologia, que vestia um jaleco branco e dizia às garotas: 'Me chamem de doutora Sharon Mitchell.' Então, todas as garotas achavam que ela era uma médica, e elas iam lá para receber orientação médica e tratamento para DSTs e para testes. Essa é apenas uma das fraudes que acontecia.
Outra eram as falsas promessas: 'Se você fizer esta cena, você vai conseguir tanto dinheiro, ou vai sair na capa do filme' ou 'Você não terá que fazer esse tipo de cena mais'. Tudo é baseado em mentiras. Você tem que ser forte para aguentar esse negócio.

Sabe, a maior parte desses filmes é feita em locais privados, em mansões privadas ou quartos de hotel aonde não haja nenhum acesso do governo. São, tipo, duas jovens garotas, com 18, 19, 20 anos de idade, em um set cheio de homens mais velhos. O produtor é homem, a equipe é de homens... então, é claro, somos intimidadas a fazer cenas que não queremos fazer. Não dá pra contar quantas vezes eu apareci e eles disseram: 'Você tem que fazer esta cena', e eu dizia: 'Não, não foi o que o meu agente disse', ou 'Não foi o que me disseram', e eles respondem: 'Bem, ou você faz ou não lhe pagamos, nós processamos você.' Agora, com a Internet, eles dizem às meninas: 'Se você não fizer esta cena, vamos mandar o seu vídeo para os membros da sua família, vamos arruinar a sua reputação, você nunca vai conseguir outro emprego, vamos tomar o que você tem, vamos machucá-la fisicamente', ou ameaçam processá-las. Isso é tráfico sexual. Toda estrela pornô já foi explorada uma vez ou outra na indústria do sexo."
Foi por causa disso que, depois de oito anos, Shelley Lubben finalmente deixou a indústria pornográfica. Ela encontrou um pastor, que depois se casou com ela e permaneceu ao seu lado durante dez longos e dolorosos anos de recuperação. Em 2007, ela deu início à Fundação Pink Cross, que trabalha para tirar artistas da indústria pornô, oferecendo-lhes esperança e cura, e para advertir as pessoas afundadas nessa indústria da dor e da escuridão que os espera.
Shelley Lubben e seu marido Garrett, em foto de 2012.

Antes de desligar o telefone, Jonathon von Maren fez uma última pergunta a Lubben: "Se você pudesse dizer uma última palavra a quem está assistindo a pornografia, o que você diria?" Ela não precisou pensar muito:

"Você está contribuindo para a sua própria morte, e para a morte da sua família e da sua esposa. Não dá para dizer quantos viciados em pornografia perderam as suas famílias e empregos. É realmente triste. E eles estão contribuindo para que crianças sejam abusadas. Se você quer uma boa razão para não ver pornografia, pense sobre a pornografia infantil. Apenas pense, neste exato momento em que eu estou falando com você, que há criancinhas pequenas que estão sendo drogadas e estupradas. Como qualquer um seria capaz de ver pornografia sabendo disso?"
Depois de ouvirem o testemunho de Shelley, muitas pessoas, de fato, chegaram à mesma conclusão: a pornografia é uma força destruidora, ela tem destruído e arruinado inúmeras vidas. Para o bem de nossas famílias, de nossa sociedade e de nós mesmos, é preciso romper o silêncio, calcular os danos e cortar essa praga de uma vez para sempre. 


Fonte: LifeSiteNews.com | Tradução e adaptação: Equipe CNP
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...