domingo, 18 de setembro de 2016

O jogral da Virgem: milagre lendário no santuário de Rocamador

[ipco]
Por

O santuário de Rocamadour encravado na pedra

Muitos peregrinos, vindos dos mais remotos confins da Cristandade, iam à romaria do Santuário de Nossa Senhora de Rocamador.
Era gente de toda espécie, desde mendigos ou empestados até fidalgos e grandes dignitários da Igreja.
Freqüentemente misturavam-se àquela turba alguns indivíduos aloucados, galhofeiros ou poetas, que tanto entoavam uma canção, acompanhando-a com qualquer instrumento, como embasbacavam o povo com malabarismos e trabalhos de saltimbancos.
Interior do santuário de Rocamadour

Singlar era um desses. Jovem, espalhafatoso, tagarela, mas de caráter doce, excelente no uso dos instrumentos musicais e dulcíssimo no cantar.
Alto poeta, encontrava sempre, no momento exato, a palavra mais viva, mais colorida e musical para dizer as coisas. Além disso, era devoto fiel da Virgem, e por isso fora a Rocamador.
Rezou diante da imagem. Sabia, porém, que jamais poderia, com orações, dizer-lhe os sentimentos que transbordavam de seu coração.
Uma canção subia-lhe à flor dos lábios, e as pontas de seus dedos formigavam nervosamente, desejosos do instrumento. Não pôde conter-se: apanhou o alaúde e cantou uma loa suave e ingênua.
Afresco medieval no exterior do santuário

O jogral estava emocionado, enlevado, e prostrou-se diante da imagem.
Nela, os olhos e as pedrarias do traje fulguravam.
— Senhora — disse-lhe o cantor — estais vendo que eu canto para vós com todo o meu coração. Desejaria saber se meus louvores são recebidos com agrado.
O santuário estava cheio de gente, naquele momento.
Todas as pessoas puderam ver um dos círios, saindo do candelabro em que estava colocado, descer até junto do poeta.
Houve um coro de exclamações. Gente corria de todos os cantos, para colocar-se ao lado do jovem:
— Milagre! Milagre!

Depressa chegou a notícia à clausura dos monges, que desceram todos para a igreja.
Os demais ajoelharam-se, confundidos com o povo que elevava fervorosas preces a Nossa Senhora.
Fazendo aquele prodígio, como prêmio ao canto ingênuo e sincero de um simples jogral, acabava Ela de dar a toda aquela gente uma lição de humildade.
Só um homem permanecia em pé. Fez caminho entre os que estavam ajoelhados, e colocando-se diante do jogral, disse, em voz muito alta:
— Não vos deixeis enganar! Aqui não houve milagre! Acreditais que a Rainha dos Céus desperdiçaria suas graças numa tolice como esta? Levantai-vos! Não houve milagre, e sim mistificação deste velhaco, ou talvez sortilégio, arte do diabo.
A antiquíssima imagem

Primeiro os monges, depois os peregrinos, foram pondo-se todos de pé, e depois afastando-se cautelosamente, um pouco encabulados, como que tomados de vergonha.
Muitos procuravam lugar atrás das colunas ou em algum canto pouco iluminado. Entretanto, ninguém saiu do templo.
Por sua vez, Singlar ali continuava, ajoelhado diante da Virgem. Na frente dele, repreendendo-o, um monge tornara a colocar o círio no candelabro.
Os pescoços esticavam-se, gente se punha em pontas de pés.
Todos os olhos estavam fixos no jogral, que pela segunda vez tirava notas dulcíssimas do alaúde e tornava a improvisar um cântico de louvor.
O círio tornou a descer para junto do poeta.
Gritos atroadores do monge retiveram a meio caminho as pessoas que se apressavam para o altar:

— Não vos aproximeis! Isto é obra de bruxaria! Este homem é um mágico que veio afrontar Nossa Senhora! Tem pacto com Satanás!
Em vão Singlar negava, os olhos cheios de lágrimas:
— Senhora, não me abandoneis!
O monge tinha apanhado o círio, e retinha-o com força entre as mãos, enquanto dizia:
— Estrela Matutina, Torre de Davi, Mãe do Salvador, não permitas que ante tua imagem o inferno possa agir como deseja!
A canção de Singlar entrava como alfinetadas de gozo no coração de todos. Subia, retilínea, pura, clara, até a Virgem de Rocamador…
O círio deu um salto, e das mãos do monge foi ter à mão direita do jogral.
Mesmo aquele monge tombou de joelhos.
Um “Ave!” espontâneo, vibrante, maravilhoso, brotou de todas as gargantas.
Vista noturna do santuário de Rocamadour
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...