sexta-feira, 29 de julho de 2016

Papa no hospital das crianças: Quem cumpre obras de misericórdia não tem medo da morte


29 Jul. 16
Por Walter Sánchez Silva

CRACÓVIA, (ACI).- O Papa Francisco visitou nesta tarde, em Cracóvia, o Hospital Pediátrico Prokocim e, em suas palavras aos presentes, afirmou que quem cumpre obras de misericórdia “não tem medo da morte”.
O Santo Padre chegou ao local às 16h27 (hora local), acompanhado de seu séquito, do Cardeal Dziwisz e da Primeira Ministra da Polônia, Beata Szydlo.
Em suas breves palavras de boas-vindas, Szydlo disse ao Pontífice que o hospital “realmente é um lugar especial, onde as palavras fé, esperança e amor têm um grande significado. Estas palavras acompanham esta equipe as 24 horas com estes pacientes em condições difíceis”.
O Papa, continuou, leva consigo estas palavras, as apresenta com “simplicidade e nos recorda a sabedoria do coração” diante dos que sofrem alguma doença.
A Primeira Ministra ressaltou que “a misericórdia não é outra coisa que ensinar o amor ao próximo. Obrigada por suas sábias palavras e sua simplicidade ao ensiná-las e obrigada por ensinar a amar o próximo”.
Em seguida, o Papa se dirigiu às crianças doentes, seus familiares, os médicos, enfermeiras e equipe administrativa presentes e lhes disse: “A minha vontade era poder demorar-me um pouco com cada criança doente, junto da sua cama, abraçar-vos uma a uma, ouvir nem que fosse só por um momento cada uma de vós e, juntos, guardar silêncio perante certas perguntas para as quais não há resposta imediata. E rezar”.
O Papa Francisco se referiu a dedicação especial do Senhor Jesus com os doentes e repetiu sua denúncia da “cultura do descarte”, cujas principais vítimas “são precisamente as pessoas mais fracas, mais frágeis; isto é uma crueldade. Diversamente, é bom ver que, neste hospital, os mais pequeninos e necessitados são acolhidos e cuidados”.
“Obrigado por este sinal de amor que nos ofereceis! O sinal da verdadeira civilização, humana e cristã, é este: colocar no centro da atenção social e política as pessoas mais desfavorecidas”.
O Santo Padre exortou: “Multipliquemos as obras da cultura do acolhimento, obras animadas pelo amor cristão, amor a Jesus crucificado, à carne de Cristo. Servir com amor e ternura as pessoas que precisam de ajuda faz-nos crescer, a todos, em humanidade; e abre-nos a passagem para a vida eterna”.
“Quem cumpre obras de misericórdia não tem medo da morte”, sublinhou.
Francisco encorajou os que servem os doentes a prosseguir em seu trabalho “neste como em qualquer outro hospital do mundo. Não queria esquecer aqui o trabalho das religiosas, muitas religiosas que dão a vida nos hospitais”.
“E Ele vos recompense dando-vos a serenidade interior e um coração sempre capaz de ternura”, acrescentou.
Ao terminar, o Papa renovou seu pedido de que rezem por ele. Apresentaram-lhe dois quadros e depois Francisco saudou cada criança doente, abençoou-as e presenteou-lhes com rosários.
Uma das meninas presentes lhe deu de presente um coração rosa, feito especialmente para ele. Antes de ir embora o Santo Padre rezou com todos uma Ave Maria.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...