segunda-feira, 27 de junho de 2016

"Depois de Orlando, é preciso tirar do Catecismo aquele artigo violento." Artigo de Anne Soupa

[unisinos]



Se as armas de fogo matam e podemos deplorar que elas sejam vendidas livremente, certas palavras também podem matar. Elas também estão em venda livre, mas o que é mais grave é que elas dão a entender que servir-se delas seria agradável a Deus. A instituição católica se dá conta de que está pondo à disposição de mentes perturbadas um arsenal de armas dormentes, escondidas nas páginas dos seus catecismos?
A opinião é da biblista e teóloga feminista francesa Anne Soupa, publicada no sítio Baptises.fr, 22-06-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Eis o texto.
Depois da carnificina de Orlando, levantam-se vozes para apontar o dedo contra a responsabilidade das religiões. Por exemplo, Daniel Cohn-Bendit denunciava, na terça-feira, 13 de junho, na rádio Europe 1, a incapacidade dos três monoteísmos de pensar a sexualidade homossexual. Mais uma vez, as religiões são acusadas de favorecer a violência...
Verdadeiro ou falso? Da parte católica, o papa, os bispos estadunidenses, a secretaria do episcopado francês, as de muitos países denunciaram com muito vigor e empatia a barbárie de Orlando. Reconhecemos isso, e que ninguém pense que a Igreja Católica não se horrorizou com o que aconteceu.
Paralelamente, o Conselho Família e Sociedade do episcopado francês, presidida por Dom Brunin, há cerca de dois anos, iniciou um diálogo muito frutuoso, retomado já por 32 dioceses. Tudo isso faz pressagiar a boa vontade real de criar um clima de acolhida para as pessoas homossexuais.
No entanto, no senso comum, predomina a ideia de que as religiões não se relacionam muito bem com a homossexualidade. Trata-se somente de mais um preconceito a ser desfeito? Não. Por mais que nos esforcemos para removê-la, continua havendo uma mancha feia que não desaparece do tecido eclesial. O passado deixa a sua marca...
Os danos da mobilização católica contra o "Mariage pour tous" [casamento para todos] são perceptíveis na opinião comum. Recentemente, houve quem recordasse a Dom Barbarin o seu ardente posicionamento contra a lei.
Mas o centro da mancha não está apenas nas memórias e também deturpa as Tábuas da Lei católicas. É claro, quando o vice-governador do Texas, Dan Patrick, de confissão evangélica, acusa os homossexuais de zombarem de Deus, ele se refere à Bíblia. Poderíamos até desculpá-lo... Mas, na Igreja Católica, a afirmação anti-homossexual é repetida em um documento de nem 30 anos atrás, o Catecismo da Igreja Católica de 1992, florão do pontificado de João Paulo II.
Sobre a homossexualidade, lá se lê o seguinte artigo: "Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a Tradição sempre declarou que 'os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados'. São contrários à lei natural, fecham o ato sexual ao dom da vida, não procedem com base em uma verdadeira complementaridade afetiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados" (§ 2.357).
Diante desse "niet" objetado a uma orientação que os seus defensores julgam como fundadora e libertadora, é inútil acreditar que bastam as declarações de empatia, as tentativas de diálogo e outras mãos estendidas.
Se a Igreja Católica quer adquirir algum crédito a esse respeito, ela deve ir – como nos casos de pedofilia que são atualmente repreendidos – até o coração daquilo que irrita e fere a consciência contemporânea: essa pretensão inédita de querer reger a sexualidade humana em nome de princípios teóricos que a existência das pessoas contradiz.
Ela deve decidir remover do seu Catecismo esse artigo 2.357, pelo fato de que ele é intelectualmente contestável (que norma decide sobre a "desordem"? O que é essa lei natural que, cada vez mais, os pensadores julgam como inoperante?), de que ele é humanamente ofensivo, injusto e culpabilizante, de que ele é politicamente contraproducente, porque alimenta uma homofobia até combatida e, sobretudo, leva a pensar que o cristianismo é uma religião do "permitido/proibido", enquanto seguir Cristo é, acima de tudo, amar o próximo.
Enfim, esse artigo revela hoje outro aspecto da sua nocividade que leva ainda mais a nos livrarmos dele. É o massacre de Orlando. Mesmo que perpetrado por um muçulmano, o caso interroga todas as religiões. A instituição católica se dá conta de que está pondo à disposição de mentes perturbadas um arsenal de armas dormentes, escondidas nas páginas dos seus catecismos?
Se as armas de fogo matam, e podemos deplorar que elas sejam vendidas livremente, certas palavras também podem matar. Elas também estão em venda livre, mas o que é mais grave é que elas dão a entender que servir-se delas seria agradável a Deus.
Portanto, a Conférence Catholique des Baptisé-e-s Francophones [Conferência Católica dos/as Batizados/as Francófonos] (CCBF) espera que o Magistério tenha a coragem de renunciar a esse artigo e faz aqui o seu pedido formal. Retirá-lo do delicado comércio entre as pessoas seria um gesto forte não só para as pessoas homossexuais, mas também para todo homem e toda mulher, independentemente da sua religião ou da sua orientação sexual. Seria um poderoso fator de pacificação, um bálsamo no clima de violência atual.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...