segunda-feira, 25 de abril de 2016

As três conversões e o amor esponsal

[padrepauloricardo]
Por Equipe Christo Nihil Praeponere

A vida espiritual não é uma “linha reta”, mas uma escada ascendente, em que somos chamados a progredir continuamente no amor a Deus. Ninguém faz planos para viver de salário mínimo eternamente.  

 



O início da vida espiritual é marcado por um sentimento de profunda gratidão para com Deus. O recém convertido medita sobre sua vida passada e percebe o quanto o Senhor o amou, mesmo não sendo ele merecedor de tamanha graça, dada a quantidade de misérias nas quais costumava chafurdar. Esta relação é a do servo com o Senhor. Trata-se de um amor inicial, por meio do qual a pessoa abandona aqueles pecados mais grosseiros, à procura de uma vida mais em conformidade com os mandamentos da Lei Divina.
O processo de conversão segue para a segunda fase. Muitos autores espirituais escreveram sobre esse período de transição, cuja meta é a amizade com Deus [1]. A pessoa passa por um período de aridez — ou noite escura dos sentidos, como dizia São João da Cruz —, que nada mais é do que uma purificação do amor, a fim de que ela vença o egocentrismo e as próprias paixões. Há o convite a um relacionamento mais íntimo com Jesus, o qual deseja chamar-nos "amigos".
A segunda conversão é o tempo da generosidade: Deus nos dá a oportunidade de subir a escada da salvação, atrás do verdadeiro motivo para nossa existência, isto é, a coroa do céu. Quando Padre Paulo Ricardo iniciou a campanha #ProjetoSegundaMorada, ele pensava justamente na necessidade de progredirmos no amor a Deus, por meio de uma entrega mais determinada à Sua vontade. Ninguém faz planos para viver de salário mínimo eternamente. Neste sentido, também o amor a Deus não pode se resumir a algumas formalidades. De fato, mostramos nosso amor quando agimos por gratuidade, não por causa de uma dívida a ser paga. É na segunda conversão, portanto, que se inicia o grande combate contra os pecados veniais e contra aquelas imperfeições que danificam nossa fraternidade com a Pessoa de Cristo.
Notem: há uma enorme diferença entre a dedicação do empregado ao patrão e a dedicação do amigo ao outro. Enquanto o primeiro age por interesse, ainda que seja legítimo e justo, o segundo faz o bem pelo amado, mesmo que este não possa retribuir. Deus não quer nosso amor simplesmente porque Ele nos consola com Sua graça e providência; temos de nos converter ao ponto de chegarmos à conclusão de que valeria a pena viver para Cristo ainda que não houvesse um Céu. Isso explica o porquê de Deus permitir a chamada aridez espiritual neste período do caminho para a perfeição. Ele se esconde para que o procuremos com determinada determinação.
Os escritores espirituais falam também de uma terceira conversão. A primeira, como vimos, é identificada pelo amor de gratidão: o servo ama seu senhor. No segundo estágio, por sua vez, o servo é convidado a tornar-se amigo de seu senhor, demonstrando uma capacidade de amar independentemente dos benefícios desse amor. Já a terceira conversão consiste no amor esponsal.
Infelizmente, o contexto supersexualizado no qual vivemos gera certa confusão no entendimento deste tipo de amor, sobretudo quando se refere aos homens. Como um homem pode ter um amor esponsal por Jesus? Trata-se de uma questão aparentemente muito capciosa, mas que, na verdade, diz respeito ao mais íntimo do ser humano.
O pecado original corrompeu a alma humana, tornando-a refém do diabo. Pelo batismo, no entanto, essa infeliz condição é anulada através da graça santificante, a qual Deus infunde no coração do homem para que ele viva segundo seu organismo espiritual. Deus quer habitar dentro de nosso interior, pois, como diz Santo Agostinho, Ele é " interior intimo meo et superior summo meo — maior do que o que há de maior em mim e mais íntimo do que o que há de mais íntimo em mim" [2]. Vejam: Deus quer possuir definitivamente nossa alma, ainda que sejamos criaturas mesquinhas, facilmente seduzidas pelas paixões profanas.
É disso que se trata o amor esponsal: uma união total e incorruptível com nosso criador. No texto do Cântico do Cânticos, lemos a declaração de amor de Jesus a sua Igreja, que somos nós. Esse amor consiste numa entrega apaixonada até o sacrifício na cruz, pelo que fica clara agora a comparação do apóstolo entre o amor de marido e mulher e o amor de Jesus pela Igreja (cf. Ef 5, 25. 29. 32). Somos chamados a ocupar todos os espaços de nossas vidas com a presença de Deus; isso significa um amor exclusivo, pois não se pode servir a dois senhores: ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro (Mt 6, 24). O jovem rico cumpria os dez mandamentos, mas não correspondeu ao chamado de Jesus porque possuía muitas riquezas (cf. Mt 19, 22).
A realidade do amor esponsal ilumina outros mistérios do cristianismo como o próprio celibato dos padres e dos religiosos. Em consequência da responsabilidade de suas vocações, eles são chamados a uma continência ainda mais perfeita para que tenham a Deus como único amor de seus corações. A desistência e os escândalos que ocorrem dentro do ambiente clerical deve-se justamente à falta de vivência desse amor por Jesus e pela Igreja.
O amor esponsal está na raiz de uma vida santa. Por isso o primeiro mandamento ensina logo o amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo. Quem possui esse amor sabe enxergar no outro um filho também amado pelo Senhor. Porque viviam esse amor, os santos foram os que mais fizeram bem à humanidade, procurando no semelhante Aquele que habita dentro de cada um nós, a grande descoberta de Santo Agostinho. Lembremo-nos sempre: Ele está dentro de nós, não fora!

Referências

  1. Cf. GARRIGOU-LAGRANGE, Reginald. As 3 vias e as três conversões. 4a. Rio de Janeiro: Editora Permanência, 2011, 104p.
  2. Santo Agostinho, Confissões, III, 6, 11.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...