quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Vírus Zika: Vaticano recorda a ONU que não há desculpas para o aborto de crianças

 


17 Fev. 16
Por Alvaro de Juana

Roma, (ACI).- A Missão do Observador Permanente da Santa Sé ante a ONU teve uma intervenção nesta terça-feira, 16 de fevereiro, avaliando um dos últimos problemas sociais e sanitários: o vírus Zika. A reunião foi convocada pelo Presidente do Conselho Econômico e Social e durante esta o Vaticano assegurou que não aceitam desculpas para “acabar com a vida de uma criança”.
Em sua declaração, a Santa Sé manifestou sua solidariedade com os governos da América Latina e toda a comunidade internacional na luta contra a emergência de saúde pública internacional provocada pelo vírus Zika e insistiu a todos os esforços para ajudar a região a deter a propagação do vírus e o cuidado das pessoas afetadas, especialmente os pobres e vulneráveis, os idosos, as crianças e os deficientes.
“Gostaríamos de chamar a atenção aos pobres e aos vulneráveis, especialmente os idosos, as crianças e os deficientes que podem ter maior risco de contrair o vírus e menos probabilidades de ter acesso imediato a prevenção, informação e tratamento médico. Necessitam de nossa máxima atenção e não devemos deixá-los de lado”, disse o Vaticano.
Uma das polêmicas que surgiu ultimamente apontou que mulheres grávidas infectadas com o vírus zika poderiam transmitir a doença aos seus bebês. Por isso, a Santa Sé assinalou que não existem trabalhos científicos concludentes que conectem o vírus Zika com a microcefalia e a síndrome de Guillain-gradeei (transtorno que faz com que o sistema imunológico danifique o sistema nervoso) e disse que por essa razão a vigilância em vez do pânico deve guiar o caminho a seguir. Parte da resposta eficaz à possibilidade de transmissão da mãe infectada ao seu filho deve ser a promoção da abstinência, sublinhou o Vaticano.
Por motivo do debate suscitado durante estes dias acerca deste tema, a Santa Sé manifestou sua profunda preocupação pelo apelo de alguns funcionários do governo, assim como o Escritório das Nações Unidas do Alto Comissionado para os Direitos Humanos, para a liberalização das leis de aborto e o acesso aos remédios abortivos em toda a região. “Acabar com a vida de uma criança não é uma decisão preventiva”, denunciou.
“No contexto deste vírus, as mães grávidas e seus bebês estão entre os mais vulneráveis”, disse o Observador Permanente durante a reunião na ONU. Por isso, “a suposta relação entre o Zika e a malformação dos bebês é uma grave preocupação e esta merece uma ação retificada da comunidade internacional”.
“É necessária uma melhor investigação a fim de determinar uma ligação entre o vírus, a microcefalia e a síndrome de Guillain-gradeei” embora “saibamos pela investigação e a informação atual que, felizmente, nem todas as mulheres grávidas que contraem o vírus correm o risco de que seus filhos nasçam com malformação”.
“Dadas as consequências potenciais na gravidez e na propagação da doença, é evidente que parte de uma resposta eficaz deve implicar a promoção da abstinência”, disse o Vaticano.
A Santa Sé recordou ainda que, “até a data, a transmissão do vírus foi comprovada principalmente através das picadas de mosquitos e poucas vezes de mãe para filho”.
Deste modo, o Vaticano defendeu que um diagnóstico de microcefalia, ou o medo a tal diagnóstico, não devem justificar uma sentença de morte, mas devemos solicitar a proteção e o cuidado de outros, de acordo com sua dignidade e a obrigação de “proteger toda a vida humana, sadia ou deficiente, com o mesmo grau de compromisso, sem esquecer de ninguém”.
“Estamos profundamente preocupados com o recente apelo feito por alguns funcionários do governo, assim como pelo Escritório do Alto Comissionado para os Direitos Humanos, a fim de liberar as leis de aborto e o acesso aos remédios abortivos como um meio para evitar o nascimento de crianças com malformação”.
“Deste modo, não só estão aumentando o acesso ao aborto e abortivos, uma resposta ilegítima a esta crise, mas também acaba com a vida de uma criança, o que fundamentalmente não é preventivo”, disse.
Em vez disso, “a promoção de uma política tão radical é a confirmação de um fracasso da comunidade internacional para deter a propagação da doença e para desenvolver e proporcionar às mulheres grávidas o tratamento médico que seus filhos necessitam, a fim de evitar o desenvolvimento de defeitos congênitos ou de suavizar seus efeitos e chegar ao fim da gestação”, pediu a Santa Sé na ONU.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...