quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

PASTORES EVANGÉLICOS, OUÇAM O PAPA!

Por William Douglas, Juiz Federal/RJ, professor e escritor.

Colabora com o Genizah

Sou protestante e amo a Reforma. Amo os 5 “Sola”. E por isso mesmo espero que os pastores e bispos evangélicos ouçam o Papa Francisco. Sim, pois se há quase 500 anos os protestantes apontavam os abusos da Igreja Católica, agora é um Papa que, ao alertar seus cardeais, acerta em cheio em doenças presentes também entre os evangélicos. 
Na vésperas do Natal, Francisco convidou os cardeais a fazerem um “verdadeiro exame de consciência”, pedindo perdão a Deus, “Ele que nasceu na pobreza numa caverna em Belém para ensinar a humildade” e foi acolhido “não pelos eleitos”, mas pelos “pobres e simples”. Afirmou, a Igreja de hoje padece de “infidelidades” ao evangelho e está ameaçada por doenças que é urgente “tratar”. Não tiraria uma vírgula para falar aos líderes evangélicos. Obrigado, Francisco! Como existem pastores precisando ouvir sua fala, e observar seus modos.
Francisco fez o diagnóstico de 15 enfermidades, os sintomas e seus remédios. Criticou os que ficam demasiado presos à burocracia, os que recusando abandonar as suas tarefas e “se esquecem que o mais importante é sentar-se aos pés de Jesus”. Criticou aqueles que, pelo cargo que atingiram se julgam essenciais, a quem convidou a visitar os cemitérios “onde estão tantas pessoas que se consideravam indispensáveis”. Ele também denunciou o “Alzheimer espiritual” dos que se afastaram de Deus e “vivem dependentes das suas paixões, caprichos ou obsessões”. Criticou os que se tornaram “vítimas do carreirismo e do oportunismo”, os que protegem os interesses de um círculo fechado e os que “tentam preencher o seu vazio existencial arrebanhando bens materiais”.
Francisco, firme, mas gentil, terminou com uma nota de bom humor – recordou ter lido algures que “os padres são como os aviões, só são notícia quando caem”. Isso também vale para os ministros evangélicos. Raramente um cristão é notícia salvo quando, humano que é, cai. O outro caso ocorre quando incomoda o reino das trevas e é perseguido.
Ao final de sua fala, o aplauso foi tímido e o ambiente esteve pesado mesmo quando Francisco saudou um a um os cardeais para, por fim, lhes desejar Feliz natal. Francisco está pagando um alto preço por defender a simplicidade e o serviço cristão. Isso também ocorrerá nos arraiais evangélicos onde a posição papal é ocupada justamente por quem deveria ouvir Francisco.
Como eu gostaria que mais pastores fossem como Francisco! Como eu oro para que padres, pastores e bispos ouçam as doenças e que, em e por Jesus, tratem de curá-las!
Aos que dizem que os católicos isso ou aquilo, recomendo que antes de apontar o cisco no olho do próximo reparem a trave no próprio, como recomendou Jesus.
Francisco, obrigado! Que os pastores evangélicos ouçam sua fala e se comportem como Cristo quer. Que padres e pastores, que conduzem católicos e evangélicos, sejam exemplos em tudo, como quer o Messias que os chamou para a obra, para servir ao Rei e ao Reino.

Seguem as 15 doenças, tão presentes entre líderes evangélicos:

1. A doença de se sentir imortal ou indispensável

Acomete os que se sentem ”superiores a todos” e não ”a serviço de todos” . O papa recomendou uma visita a um cemitério para vermos os nomes de tantas pessoas que “talvez acreditassem que eram imortais, imunes ou indispensáveis”.

2. A doença do excesso de trabalho

Acomete os que “submergem no trabalho descuidando da melhor parte: sentar-se aos pés de Jesus”. O papa lembrou que Jesus “convidou seus discípulos a ‘descansarem um pouco’ porque descuidar do repouso leva ao estresse e à agitação".

3. A doença da fossilização mental e espiritual

Acomete os que se escondem atrás de pilhas de papel e se tornam “máquinas de práticas” em vez de homens de Deus. Ao fazer isso, perdem a capacidade de “chorar com os que choram e se alegrar com os que se alegram.”

4. A doença do excesso de planejamento

Segundo Francisco, planejar e se preparar para fazer as coisas é importante, mas “sem cair na tentação de impedir ou tentar dirigir a liberdade do Espírito Santo”.

5. A doença da má coordenação

Acomete os membros da Igreja que “perdem a comunhão uns com os outros” e se convertem em “uma orquestra que produz ruídos porque não vive o espírito de equipe”.

6. A doença de Alzheimer espiritual

Trata-se de uma “redução progressiva das faculdades espirituais” em consequência da “perda da memória” do encontro com o Senhor. O apóstolo ergue ao seu redor “muros e hábitos, quase sempre imaginários” e se torna dependente de suas paixões, caprichos e manias.


7. A doença da rivalidade e da vaidade
Quando a aparência se torna o primeiro objetivo da vida.

8. A doença da esquizofrenia existencial

Acomete os que “abandonam o serviço pastoral e se limitam às tarefas burocráticas, perdendo o contato com a realidade e as pessoas de verdade”.

9. A doença da fofoca

É a doença dos que, sem ter coragem de dizer as coisas abertamente, falam pelas costas das pessoas. Ao fazer isso, semeiam a discórdia, como Satanás.

10. A doença de divinizar os chefes

Acomete os que cortejam os superiores, são presos ao carreirismo e ao oportunismo e vivem a serviço daquilo que querem obter e não do que querem dar ao próximo.

11. A doença da indiferença com os outros

“Quando só pensamos em nós mesmos e perdemos a sinceridade e o calor das relações humanas. Quando, por inveja ou astúcia, sentimos alegria em ver o outro cair em vez de ajudá-lo a se levantar.”

12. A doença da cara de enterro

Acomete as pessoas que consideram que, para ser comprometido e consistente, “é necessário encher o rosto de melancolia e de dureza, assim como tratar os outros com rigidez e arrogância”. Segundo Francisco, o apóstolo deve transmitir alegria: “Que bem nos faz uma boa dose de humor saudável.”

13. A doença da acumulação

Quando o apóstolo, para encher um vazio existencial em seu coração, só pensa em acumular bens materiais.

14. A doença dos círculos fechados

Quando fazer parte de uma panelinha se torna algo mais forte do que ser parte da Igreja como um todo e até mesmo ser um só com Cristo.

15. A doença do prazer mundano e do exibicionismo

Quando o apóstolo transforma seu serviço em poder para obter mais proveitos mundanos e acumular ainda mais poder. São pessoas capazes de caluniar, difamar e desacreditar os demais para se exibirem e se mostrarem mais capazes do que os demais.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...