sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Exortação aos católicos: Um chamado à luta!

[abim]
Por Luiz Sérgio Solimeo


Estamos imersos numa “Guerra Cultural” que vai destruindo os fundamentos mais sagrados de nossa civilização e com isso fazendo o mundo imergir cada vez mais no caos e na violência.
Nesse contexto, é preciso que os católicos, seguindo a trilha de seus antepassados, abandonem o comodismo e se lancem na luta, lembrados das promessas feitas no batismo, e de que se tornaram soldados de Cristo pelo sacramento da Crisma.

Um vibrante apelo à lut

Bispo
Essa é a convocação que o bispo de Phoenix, Estado do Arizona (EUA), Dom Thomas J. Olmsted [foto ao lado], fez no dia 29 de setembro de 2015, festa de São Miguel Arcanjo, aos homens de sua diocese — e, por extensão, de todo o país — em sua vibrante Exortação Apostólica aos homens católicos, meus filhos espirituais da diocese de Phoenix.
Trata-se de Um Chamado à Luta, como a designou o ilustre bispo, cujas palavras lembram as convocações para as Cruzadas de outrora:
“Começo esta carta com um toque de clarim para a carga de cavalaria vossa, meus filhos e irmãos em Cristo: homens, não hesiteis em vos engajar na batalha que está sendo travada em torno de vós, a batalha que está ferindo os nossos filhos e as famílias, a batalha que distorce a dignidade de homens e mulheres. Esta batalha é muitas vezes escondida, mas é uma batalha real. É principalmente uma batalha espiritual, que está progressivamente matando os valores cristãos restantes em nossa sociedade e em nossa cultura, e até mesmo em nossas próprias casas.”

A luta como defesa dos ataques do demônio

Bispo
Essa “Guerra Cultural” contra a Igreja tem como inspirador o Pai da Mentira e, pondera o bispo Olmsted, uma das razões principais pela qual a Igreja está vacilando sob os ataques de Satanás é que muitos homens católicos não estão dispostos a ‘entrar na luta’ para tapar esta brecha que se encontra aberta e vulnerável a outros ataques”.
Esse abandono da luta é devastador para os homens católicos, que acabam por “abandonar a Igreja e cair no pecado, desfazendo assim seus laços com Deus e deixando-os vulneráveis ao fogo do inferno”. 

A luta é dever de todo batizado

Com isso, “os homens católicos não estão cumprindo as promessas que fizeram no batismo de seus filhos — prometendo trazê-los para Cristo e criá-los na fé da Igreja”.
Muitos frutos de nossa herança cristã ainda existem, mas as raízes abaixo do solo estão sob ataque” – ressalta o bispo de Phoenix. E é por isso que a luta tem sua razão de ser e torna-se urgente. Cumpre não somente conservar esses restos de nossa herança católica, mas restaurá-los em sua plenitude.

A “joie de guerre”

Mas, a luta pela verdade e a moral, pela honra de sermos católicos, não é somente um sacrifício que fazemos; coadjuvada pela graça divina, ela nos dá aquela alegria do guerreiro que luta pela causa justa. Diz Dom Olmsted: “Na misericórdia e na verdade de Cristo, tornamo-nos fortes com sua força, corajosos com sua coragem, e podemos realmente experimentar a ‘joie de guerre’ [alegria da luta] de sermos soldados de Cristo.” Essa “alegria da luta” enquanto soldados de Cristo é uma das mais puras e intensas alegrias que possamos gozar nesta Terra. 

A Igreja, uma escola de batalha espiritual

Prossegue o bispo de Phoenix: “A Igreja é, e sempre foi, uma escola que nos prepara para a batalha espiritual, onde os cristãos são chamados a ‘combater o bom combate da fé’ (1 Tim 6), para “revestir-se da armadura de Deus”, e para poder resistir às ciladas do demônio (Efésios 6:11).

Essa “alegria da luta” é um poderoso incentivo para que os católicos se lancem no combate e recuperem o verdadeiro conceito de varonilidade, tão deturpado em nossa sociedade, influenciando inclusive eles próprios. Existe hoje uma crise de virilidade.

Nosso Senhor Jesus Cristo, modelo de varonilidade

O verdadeiro modelo de masculinidade não é aquele que o mundo oferece, mas sim Nosso Senhor Jesus Cristo:
“Jesus de Nazaré — que é ao mesmo tempo totalmente Deus e totalmente homem, é a perfeição da masculinidade. Cada momento de sua vida na Terra é uma revelação do mistério do que significa ser homem — isto é, o ser plenamente humano, mas também é o modelo de masculinidade. Em nenhum outro lugar podemos encontrar a plenitude da varonilidade como no Filho de Deus. Somente em Jesus Cristo podemos encontrar a mais alta representação da virtude masculina e da força de que precisamos em nossas vidas pessoais e na própria sociedade” – observou Dom Thomas Olmsted.

A “Ideologia de Gênero” e a destruição da sociedade

A evanescença da virilidade contribuiu enormemente para a chamada “teoria de gênero”, que destrói as diferenças complementares entre o homem e a mulher. A desvirilização do homem é acompanhada pela masculinização das mulheres: o uso de roupas unissex, cortes de cabelo andróginos, a substituição da vida de família pelas carreiras fora do lar, tudo isso contribui para a perda da verdadeira feminilidade.
Explica o bispo de Phoenix:
“O avanço rápido de uma ‘ideologia de gênero’ já infectou as sociedades ao redor do mundo. Essa ideologia procura anular a diferença sexual criada por Deus, para remover o masculino e o feminino como forma normativa da compreensão da pessoa humana, e, em seu lugar, adicionar várias outras ‘categorias’ de sexualidade. Essa ideologia é destrutiva para os indivíduos e a sociedade, e é uma mentira. É prejudicial para a pessoa humana e, portanto, um falso conceito ao qual devemos nos opor como cristãos.”

A impossível mudança de sexo

É bem evidente que ninguém pode mudar de sexo de acordo com sua fantasia. O DNA presente em cada célula do corpo humano traz a marca do sexo da pessoa, masculino ou feminino. Isso não depende da vontade de ninguém, mas dos desígnios de Deus, e tentar forçar a natureza contrariamente a esses desígnios é um pecado, uma revolta contra o Criador. As pessoas podem mudar sua aparência mediante hormônios e operações, mas não sua natureza: elas serão sempre homem ou mulher, tais como concebidas no ventre materno.

A crise da paternidade

A confusão e a perda da identidade masculina ou feminina acarretam um profundo golpe na família e, portanto, na sociedade, com a consequente perda das noções de paternidade e de maternidade, outrora tão vivas na Civilização Cristã.
Comenta ainda o intrépido bispo:
“O ataque de hoje à paternidade e, por extensão, à maternidade, é multifacetado e incrivelmente prejudicial. 41% dos filhos nascem em nossos dias em lares de mães solteiras, um aumento de 700% em relação a 1950, quando a taxa de natalidade fora do casamento era apenas de 6%. Estas crianças não são órfãs por causa de algum conflito bélico, como na Segunda Guerra Mundial — que causou muitos casos de orfandade paterna —, mas sim porque, o que é muito pior, devido à ausência de vontade do pai, essa ‘orfandade’ está acontecendo em uma escala maciça. [...] Homens católicos também contribuem muito regularmente para este mesmo escândalo que desola o coração de uma criança e faz com que muitas mulheres em nossa cultura vivam como se fossem viúvas!” 

O papel do pai é insubstituível na familia

Dom Olmsted exorta os homens católicos:
Homens, a vossa presença e missão na família é insubstituível! [...] Precisamos de fé como a de nossos pais, que defenderam os filhos nas gerações anteriores e deram a própria vida antes que abandonar sua fé em Cristo. Meus filhos e irmãos, homens da Diocese de Phoenix, precisamos de vós para entrar na luta!

O papel da sadia amizade

Os homens católicos não devem somente recuperar o senso da paternidade, física ou espiritual, mas também o senso da amizade viril entre homens, o companheirismo que ajuda a enfrentar as dificuldades da vida, e que constitui, sobretudo, um auxílio no progresso da vida espiritual. Essa amizade nada tem de afeto ou interesseiro, mas resulta da própria natureza social do homem, levando homens e mulheres à prática da amizade. Santo Tomás de Aquino diz que um amigo é outro eu, e Nosso Senhor nos manda amar o próximo como a nós mesmos.
Infelizmente, na sociedade individualista e hedonista em que vivemos, o senso natural da amizade vai se perdendo, aumentando sempre mais aquilo que os sociólogos chamam de solidão em meio à multidão.

Revolução Sexual, infelicidade e solidão

A desvirilização do homem e a masculinização da mulher, a perda do senso da paternidade e da maternidade, da amizade, têm como causa próxima a Revolução Sexual, a qual tomou um impulso violento e arrasador em meados dos anos 1960.
Comenta o bispo:
“Como se explica que uma cultura tão firme em apoiar o casamento e o compromisso matrimonial duas gerações atrás, tornou-se uma cultura que reduziu a sexualidade a um mero prazer com fins interesseiros? A resposta está na Revolução Sexual. Para muitos, a Revolução Sexual prometeu ‘amor livre’ e a liberdade dos grilhões de velhas idéias sobre masculinidade e feminilidade. O resultado foi a separação entre a sexualidade e os compromissos do casamento e uma opção generalizada pela esterilidade (química ou cirúrgica), numa negação do que é mais essencialmente masculino e feminino na pessoa. Pior, a Revolução Sexual inaugurou o flagelo do aborto, a pornografia, o abuso sexual, tão desenfreados nas últimas décadas. Em vez de amor real e autêntico, esta ‘liberdade’ falsa oferece prazeres baratos que mascaram a mais profunda solidão e dor.”

Vigiai e orai para não cairdes em tentação

Os remédios apontados em Um Chamado à Luta são aqueles apresentados classicamente pela tradição católica e pelos autores de teologia espiritual: guarda constante do olhar, controle da imaginação, oração, vigilância, frequência aos sacramentos – sobretudo da Confissão e da Comunhão –, exame de consciência diário, devoção aos santos, etc.
Bispo

A vida espiritual concebida como luta

Mas, sobretudo – e esta é a grande contribuição dessa admirável Exortação Apostólica do bispo Thomas Olmsted –, é preciso que os homens católicos concebam a vida espiritual como uma luta e pratiquem a virtude como um meio de se prepararem para ela, em defesa dos princípios e dos valores cristãos, em especial da grande virtude combatida em nossos dias: a castidade.
Uma castidade viril, forte, combativa, que não se envergonha de si mesma, nem se desculpa por existir. Pelo contrário, que deve ser vista como uma poderosa e necessária arma nesta luta contra a destruição da família, da Igreja, e da própria civilização. 

Gratidão a um valoroso bispo

É, pois, com um agradecimento ao valoroso bispo de Phoenix que terminamos estas rápidas considerações sobre a sua extremamente oportuna Exortação Apostólica Um Chamado à Luta.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...